sábado, 4 de julho de 2009

sóssuposissó





se eu soubesse dizer
tudo que brota em meu peito
e cai pelos meus olhos
invisível

tudo o que me traspassa a pele
que explode leve
como só daqui se treme

o que habita a garganta
e janta comigo
e que agora me escuta
e escuta comigo

tudo o que eu não sei dizer
e que não diria
se eu soubesse



7 comentários:

  1. Não poderia haver desfecho
    melhor

    ResponderExcluir
  2. Se soubesse, caro mio,
    não seria poeta:
    há muito ainda no plano do indizível, no dizer de Rilke...

    ResponderExcluir
  3. Então ninguém saberia de jeito nenhum nada que vai aí dentro.

    ResponderExcluir
  4. Por isso que o poeta não quer dizer, ele diz...

    ResponderExcluir
  5. "Emagrecedor bio redux", "Mistério por debaixo do cabelo" e este estão muito massa, Álvaro.
    Abração

    ResponderExcluir

Comente, se você não for um andróide.